Conhecimento é bom e eu gosto

postado em  •  11 comentários

Quando me perguntam como eu consegui entrar tão rápido no mercado de moda eu respondo: Fui indicada. Não vou mentir, infelizmente indicação é tudo nesse meio e simplesmente “ser bom” no que se propíµe a fazer não é o suficiente. Contudo, mais importante do que ter alguém para te indicar é saber se manter na profissão com as próprias pernas e para isso, queridos, só existe um caminho e ele se chama conhecimento.

Em um meio cheio de pessoas lindas, de bons modos e roupas caras, impressiona mesmo quem se destaca pela inteligência e informação e para obter essa duplinha fantástica não existe mistério: í‰ preciso ler, ir ao cinema e teatro, ouvir música exaustivamente, visitar exposiçíµes, viajar… Enfim, abrir a mente para tudo que te cerca sem preconceitos. Sabe aquele velho comportamento: “Ah, não gosto desse tipo de música. Detesto o diretor desse filme. Esse livro é ruim…”? Aqui ele não pode ter vez porque moda é tudo e pode surgir dos menores detalhes. Esperto é quem é antenado o suficiente para farejar o que pode ou não virar tendência.

Vou ainda mais além: Não só para moda, mas para comunicação em geral é assim também. Quando estava na faculdade ouvi várias pessoas dizendo que queriam trabalhar em TV e por isso, não aprimoravam o texto escrito. Outras comentando que gostavam de jornalismo cultural e por isso, não liam economia. Pessoas com essa mentalidade tendem a ser engolidas pelo mercado, não há espaço para gente de mente e conhecimento limitado. Ir além da zona de conforto é fundamental.


Todos os dias de manhã eu leio O Globo, o caderno de Empresas do Valor Econí´mico (aliás, esse caderno é leitura obrigatória para quem trabalha com qualquer coisa relacionada a consumo) e ainda fico de olho o dia todo em portais de notí­cia online e nas notí­cias da Globo News e BBC. Nos finais de semana leio JB e ainda algumas colunas do jornal O Dia. Além disso aqui no escritório estamos sempre ligados no NY Times e no Use Fashion. Acha demais? Uma dica é começar aos poucos: Comece pelo jornal que mais gosta e vá expandindo a leitura. As revista de moda nacionais e internacionais, então, nem se fala, né? Tem que ler! E se você achar as internacionais muito caras, uma dica: Leia em livrarias. í‰ só sentar no café, comer uns bolinhos e ler as revistas. As lojas não se importam e você economiza uma grana.

Apesar do crescimento em relação ao número de leitores no Brasil, ainda podemos dizer que o brasileiro lê pouco. Eu pergunto: Quantos livros você lê por mês? Quantos livros você leu no último ano? Eu leio uma média de 2 livros por mês e í s vezes gostaria de ler mais, muito mais. Falta tempo, é verdade, mas são os ossos do ofí­cio, certo? Quem que reclama que os livros custam caro (o que é verdade) há opção de sebos e site como o Estante Virtual que reunem sebos do paí­s todo e fazem entrega em domicí­lio.

Se você nem sabe por onde começar nem o que ler, vale olhar os livros (e ver os filmes também) citados nesse post aqui. Além disso, para os marinheiros de primeira viagem eu indico o livro A Moda da Erika Palomino que mostra o “bê a bá” do mundinho fashion. Depois investir no A Historia da Arte de Gombrich (que não é barato, mas vale cada centavo) e no A Evolução da Indumentário – Subsí­dios para a criação de figurino. Esse é um bom começo. Depois que pegar gosto pela coisa o importante é buscar outros livros de moda, arte e literatura em geral. Conhecimento nunca é demais, mas se você tiver pouco pode ser um problemão.

Na hora de escolher o filme para o cineminha de sábado, que tal fugir dos cinemas que exibem incansáveis blockbusters e escolher um filme do circuito alternativo e cult que provavelmente está em cartaz naquele cinema pequeno que você nunca deu bola? Normalmente esses filmes fogem da zona de conforto quando o assunto é estética e linguagem. í‰ bom para exercitar o olhar. Trocar o cinema por uma peça de teatro também pode ser um excelente exercí­cio fashion. As peças costumam ter um figurino impecável.

E a música hein? Se prender a um ou poucos estilos de agrado é bem mais fácil, mas é importante abrir os ouvidos para as novidades, afinal, como já disse aqui moda e música andam juntinhos. Abra o myspace e vá buscando novos artistas, ouça com atenção os novos ritmos e movimentos musicais que estão surgindo, observe a forma como se vestem, preste atenção nas letras…

E esse é um ensinamento para a vida toda (não só para quem quer trabalhar com jornalismo ou com moda): í‰ preciso ir além sem preconceitos. O grande problema é que muita gente tem medo de experimentar, de sair da zona de conforto, de abrir a mente para as opçíµes que o mundo nos oferece e por isso, tornam-se limitadas e pouco criativas. E quem gosta de mente fechado? Eu não gosto…

Agora eu quero saber: Onde vocês buscam conhecimento? E inspiração?

Bjks.

Tem crí­ticas, sugestíµes, reclamaçíµes ou qualquer coisa do tipo? Envia um email ou me segue no twitter.

11 comentários em “Conhecimento é bom e eu gosto”

  1. duda molinos às 16:49

    Gostei muito, parabéns!

  2. Victoria Siqueira às 18:53

    Tata, na faculdade de Publicidade não era muito dificil também o pessoal entrar numa aula tipo História da Arte e Psicologia e soltar um "não sei pq tenho essa aula, eu faço publicidade". Lamentável.

    1. tatagiglio às 19:06

      Pois é. Eu cursei Comunicação com a Joana, e depois fiz habilitação em Publicidade. Frequentei duas faculdades diferentes e a situação era revoltante.

      As pessoas queriam entender o porquê das aulas de Estatística, Estética, Economia Política, entre outros. Como se aquilo fosse puro charlatanismo, pura enrolação. Realmente é deprimente. Ou melhor, hilário. Isso é fruto do total despreparo, desinteresse pelo curso, pessoas nos lugares errados, faculdades que não são instituições de ensino e sim, caça-níqueis, etc…

  3. Isabela às 01:43

    Que texto inspirador! Adorei!
    Conheci agora o seu blog, e me senti privilegiada de me deparar com esse post, ainda mais porque eu pretendo mesmo seguir esse caminho fashion.
    Agora respondendo a pergunta, minha inspiração são blogs! Leio o JustLia, O Depois dos Quinze, os blogs da Capricho, Garotas Estupidas… E agora o Borboletando. Vocês são realmente inspiração pra mim! Tenho 16 anos ainda, e acho até que vou começar a blogar já agora! hehe

    1. Victoria Siqueira às 01:58

      Começa sim, e depois dá o link pra gente visitar \\o/

  4. Patrícia às 19:29

    Adorei o post! Eu ainda sou bastante nova, mas adoro pegar essas dicas com quem já conseguiu avançar muito na sua carreira tão sonhada. Também acho realmente conhecimento muito importante, sem isso você não consegue nada. Você precisa saber O QUE você esta trabalhando, mas se conseguir cada vez melhorar.

    Gosto muito do blog, os assuntos são bem legais. Obrigada pelas dicas!
    Beijos

  5. Victoria Siqueira às 21:47

    Infelizmente não é todo mundo que pensa assim né Jô? Eu trabalho num site de moda, e todo mundo super valoriza o emprego. Outro dia me mandaram um e-mail com o currículo e com uma mensagem do tipo "quero uma oportunidade de estar no mundo do glamour" -e taí uma coisa que não só eu, mas todo mundo que trabalha comigo abomina.

    Moda ou qq outra área que envolva "glamour" pode ser um mundo teoricamente fútil, mas se vc não tiver conteúdo e conhecimento em outras áreas, vc fica pra trás, assim como qq outro mercado.

    Ótimo post, vc ahasa sempre Jô!

  6. kikadelpiero às 20:37

    Dica: Gombich pode ser muito pesado e caro ( se bem que via e mexe tem promoção por menos de 100 reais e vc pode pagar em 10X ). Por isso indico " Introdução da História da Arte" de Janson, o texto é mais leve e tb informativo, além do que traz o panorama da arte mais atual.

    1. Joana às 20:39

      ótima dica, obrigada :)
      coloquei gombich porque comecei por ele e sou apaixonada… nem pensei em pesquisar outros…
      sei que foi feio da minha parte, ser tão imparcial assim uahuahuahuhauha

      1. kikadelpiero às 20:43

        olha que feio.. que preconceito…hauahuahua

        Então é que minha história com JansenXGombrich foi assim.. na época da facu, só tinha a edição portuguesa.. carissima e eu achei o Jansen por 39 reais… o que mesmo na época era uma pechincha.
        o pessoal da classe amou e todos compraram , obrigando a mudarem a bibliografia e assim conheci o Jansen..

        Vc conhece O Livro da Beleza e o Da Feiúra do Umberto Eco??

  7. Lorena Dana às 17:29

    Maravilhoso seu texto. Parabéns pela mentalidade. Com certeza você vai inspirar muita gente com esse recado.

Deixe seu comentário!