setembro 2011

SP: 30 motivos para ir ao Shopping Eldorado

postado em  •  9 comentários

Existem alguns lugares na cidade que sempre vão te marcar por algum motivo especial. O Shopping Eldorado é um desses para mim. Lembro que quando eu era pequena, meus pais costumavam freqí¼entar bastante o shopping para fazer compras e claro, me levar no saudoso Parque da Mí´nica.

Por isso, fiquei super feliz quando o Eldorado me convidou para visitar o Shopping, que completa 30 anos de existência, e eleger 30 motivos para visitá-lo e recomendá-lo para meus leitores.
Confiram minha seleção! :D

1- Fácil acesso: um dos pontos que eu considero fundamental para o Eldorado é que ele um dos poucos shoppings da cidade com muita coisa bacana para fazer, desde as principais lojas a restaurantes badalados , com fácil acesso. Trem, metrí´ (alí´ linha amarela!) e í´nibus.

2- Um urso para chamar de seu: você já pensou em criar um urso do jeito que você sempre quis? Pois é, agora você pode criar. A Build a Bear Workshop é um verdadeiro paraí­so para os apaixonados por bichinhos de pelúcia , e nem precisa ser criança para sair de lá encantado pela loja (sério). O mais bacana é que você, além de escolher como vai ser seu ursinho, vai confeccioná-lo, ajudando a colocar a espuma, penteá-lo, escolher um som e ainda batizá-lo com um nome, com direito a certidão de nascimento. Nhom!

BUILD A BEAR WORKSHOP: A LOJA MAIS LINDA E FOFA DA CIDADE

3- Entretenimento para o namorado enquanto você faz compras: 99% dos homens odeiam acompanhar as namoradas e mulheres para fazer compras, mas agora você tem um ótimo argumento para convencer seu amado a ir com você. Lá no Eldorado tem a Mr. Beer, um quiosque com uma variedade enorme de cervejas nacionais e gringas para todos os gostos. E o mais bacana é que além do quiosque, tem umas mesinhas para ele tomar bons drinque enquanto você faz suas compras. Ou ainda combine um “girls day” com as amigas no shopping e finalize no quiosque degustando alguma cerveja.

4- WI-FI Free: nada melhor do que chegar em algum lugar e ter um WI-FI na faixa e ótimo para a gente usar né? :D

5- Os melhores fast-fashion estão lá: Renner, C&A e Zara são as 3 lojas queridinhas de quem ama moda mas procura preços amigos. E as 3 estão no Eldorado. A Zara, diga-se de passagem, tem uma variedade bem bacana de peças que a gente não costuma encontrar nas outras filiais.

6- Revivendo a infí¢ncia: quem é da geração de 80, comecinho dos 90, provavelmente viveu o boom da patinação e morre de saudades de ter um espaço para reviver os velhos tempos. A boa notí­cia é que no 2° subsolo do Eldorado tem a Ice Star, uma pista de patinação no gelo que funciona o ano inteiro e atende crianças, adolescentes a adultos. E nem é preciso saber patinar para curtir. A Ice Star conta com instrutores para ajudar você a dar os primeiros passos na patinação!

7- Espirito do Mercadão no conforto do shopping: para quem adora ir ao Mercadão de SP para comprar frutas secas e nuts mas não tem muita paciência para enfrentar o centro da cidade pode ir ao Emporio Chiappetta, que além de manter sua matriz no tradicional mercado municipal da capital, tem uma unidade no Eldorado. E no melhor estilo mercadão, você pode degustar antes de escolher quais delí­cias você levará para casa. Não deixe de experimentar a manga seca.

8- O melhor frozen yogurt da cidade: a Veja SP já elegeu o Yogurberry como o melhor frozen da cidade, e confesso que eu concordo com o tí­tulo. Frozen Yogurt com gosto de iogurte mesmo, calda de frutas vermelhas sem adição de açúcar e sempre com outras opçíµes de sabores. Minha combinação favorita é: frozen natural + blueberry + morango + calda de frutas vermelhas. í‰ amor gente!
Continue lendo →

Mixtape #10: Who Run This Motha? GIRLS!

postado em  •  7 comentários

Mixtape da quinzena em clima de comemoração. Essa é a #10, dá para acreditar? Quando eu comecei a TAG em abril não imaginaria que chegaria tão longe e principalmente, que vocês iriam gostar tanto dela assim! :D

Então para comemorar essas #10 Mixtapes borboletativas, resolvi fazer uma versão 2.0 de uma das ediçíµes favoritas dos leitores com uma seleção com as músicas mais amadas do pop feminino.

Quer baixar e levar para aonde quer que você vá? Clica com o botão direito neste link aqui >> salvar link como. Para ver todas as mixtapes que já rolaram aqui no blog, clica aqui.

Boa semana pra todo mundo :D

As mulheres de Nova, o pseudo-feminismo e o amelismo

postado em  •  70 comentários

Lembro como se fosse hoje a primeira vez que eu comprei uma revista Nova. Tinha lá pelos meus 18 anos e com a minha assinatura da Capricho chegando ao fim, fui em busca de uma revista que tivesse mais a minha cara e que falasse mais a linha língua afinal, não dava para ler naquela altura dicas e dúvidas de relacionamento destinadas a meninas de 12 anos né? Naquela época, nem Lola nem Gloss existiam: ou era Capricho, ou era Nova, ou Claudia. A Capricho eu era muito velha, para a Claudia, muito nova. Me restava a Nova.

Até que um dia, voltando da faculdade, resolvi parar na banca e arriscar. Folha após folha, não conseguia encontrar sequer uma página que me deixasse a vontade ou no mí­nimo instigada para ler a matéria. Tudo se resumia a matérias no melhor estilo “como ser bem sucedida em 3 passos”, “seja sexy e arranque suspiros na rua”, “como entrar em um jeans 36, manter um popô digno de mulher fruta e segurar o gato” ou “como conciliar trabalho, família, filhos e não perder o sex appeal”. Isso sem contar o constrangimento de chegar em casa com uma revista com uma sessão denominada SEXO LACRADO e suas 299304405056596678 dicas de como enloquecer seu parceiro na hora H com técnicas surreais e posições dignas de artistas do Cirque du Soleil. Logo na primeira tentativa vi que não era uma revista para mim, tampouco para a minha vida. Naquela época, achei o discurso muito balzaquiano para uma adolescente com um pé na vida adulta. Resultado? Passei para a minha prima, 6 anos mais velha.

INSIRA AQUI QUALQUER NOME BIZARRO A LA NOVA PARA ESTA POSIí‡íƒO

Quase 7 anos depois e o lançamento de outras revistas no mercado destinadas ao público da minha faixa etária (Gloss, Lola e a repaginação da Criativa), continuo achando que a Nova não é o tipo de revista para mim, uma mulher como muitas por aí. Se aos 18 anos eu não tinha a malícia e um olhar mais crítico com relação as matérias, hoje aos 25 tenho uma opinião que pode ser representada em uma só palavra: bizarra.

Nova não é uma revista que me representa, e vou além: não representa 99,99% das mulheres brasileiras e quiçá, do mundo inteiro. A mulher que Nova apresenta é independente, linda, gostosa, sexy, bem sucedida, ótima mãe, excelente filha, realizada, bem resolvida, bem vestida, cheia de iniciativa e boa de cama, sempre em busca de uma novidade para apimentar a relação. É a mulher que é solteira mas não se incomoda de sair por ­ em busca de sexo casual mas que ao mesmo tempo, busca um homem para chamar de seu e que tenta a todo custo, prendê-lo, mesmo que seja por meio do sexo. É a mulher que precisa de um homem para se sentir completa ou ela será uma fracassada. É a turbinada da Mulher Maravilha, o esteriótipo da mulher perfeita das duas ultimas e quem sabe, do novo século. Ou não.

IMPRIMA, RECORTE, COLOQUE SUA CARA E SEJA TAMBí‰M UMA MULHER DE NOVA

Há quem diga que a Nova segue um discurso feminista, mas sinceramente, acho que esta mulher sugerida pela publicação nada mais é do que a uma versão atualizada da Amélia, aquela que diziam por aí que era a mulher de verdade. Aquela que lavava, passava, cozinhava, cuidava dos filhos, limpava a casa e ainda tinha que estar linda para o marido a noite. A mesma que lia Jornal das Moças e Cláudia e seguia os seguintes conselhos para segurar o marido e manter a famí­lia:

– “Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas.” (Jornal das Moças, 1957)

– “Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto.” (Revista Cláudia, 1962)

– “A desordem em um banheiro desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa.” (Jornal das Moças, 1945)

– “A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos.” (Jornas das Moças, 1959)

– “A esposa deve vestir-se depois de casada com a mesma elegância de solteira, pois é preciso lembrar-se de que a caça foi feita, mas é preciso mantê-la bem presa.” (Jornal das Moças, 1955)

– “Se o seu marido fuma, não arrume brigas pelo simples fato de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa.” (Jornal das Moças, 1957)

– “A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido ás experiências pré-nupciais, mostrando que era perfeita e única, exatamente como ele a idealizara.” (Revista Cláudia, 1962)

– “Mesmo que um homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu.” (Revista Querida, 1954)

– “É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido.’ (Jornal das Moças, 1957)

– “Lugar de mulher é no Lar. O trabalho fora de casa masculiniza” (Revista Querida, 1955)

Não sei para você, caro leitor deste humilde blog, mas leio as frases retiradas de revistas da década de 50 acima e não consigo diferenciar a intenção dessas publicações do tempo da nossa avó para as matérias e dicas publicadas pela Nova nos últimos tempos. Ok, a posição das mulheres dentro da sociedade mudou (ainda bem!) mas a intenção tanto das chamadas da capa deste mês quanto das frases retiradas das revistas das nossas vós acima é a mesma. O que muda é um discurso feminista-liberal para esconder um machismo embutido adaptado para os novos tempos, porque no final das contas, o que ambas pregam é no fundo, o papel de submissão ao homem e sua imagem perante a sociedade. Ou seja: se no tempo das nossas avós o negócio era ser uma mulher de “família”, cuidar do lar e estar sempre preparada para o marido, hoje as mulheres são massacradas pela imagem da mulher bem sucedida, super-m]ae, super-mulher dona de um corpo escultural e bem resolvida sexualmente, a ponto de sempre levar coisas novas para o companheiro ou o carinha que ela está saindo atualmente. Se voê tem alguma dúvida disso, basta ler alguma das chamadas das matérias publicadas na versão on-line de Nova:

6 tipos de sexo que o seu amor adoraLeia

“Se é como a gente pensa, que eles não vivem sem sexo, isso não significa que anseiam por um repeteco da noite anterior. Saber das preferêcias masculinas ajuda a variar o repertório e, mais ainda, a manter nos dois a chama da paixão bem acesa.”

30 manobras sexuais extra hot (sem usar as mãos!)Leia

“Seus dedos incendeiam qualquer cara, mas outras partes do seu corpo são capazes de derretê-lo ao menor toque. A seguir, uma lista de manobras que vão matar seu amor de prazer – e sem deixar digitais!”

O que os homens pensam durante o sexoLeia

“A Alinne Moraes, a celulite que flagrou – apesar de seus esforços para escondê-la -, o gol de um craque… será que isso passa pela cabeçaa deles no rala-e-rola? Sim, essas coisas e muitas outras. O nosso espião entrega tudo!”

Como fazer um strip-teaseLeia

“NOVA traz, passo a passo, um strip-tease que vai deixar o seu homem caidinho, louco para ter você nos braços dele. Confira, aprenda e arrase!”

Receitas sexy para esquentar sua relaçãoLeia

Anote as receitas explosivas que vão fazer qualquer um comer na sua mão (ou em outro lugar do seu corpo). Preaqueça o quarto, junte uma lingerie sexy, um homem lindo e sua fantasia mais apimentada. Misture bem e leve à cama (ou ao carro, à banheira, à  balada…).

Estilo rock and roll para seduzirLeia

“Deite e role com tachas, correntes, couro, microcomprimentos, paetês… O gato vai dançar conforme sua música!”

A saia mais provocante do verãoLeia

“A mega-hiperadesiva saia bondage foi eleita a peça mais sexy da estação. Numa destas, você vai convencer qualquer homem a confessar todos os pecados. E ainda cometer mais alguns!”

Vestida de forma provocante para arrasar no primeiro encontroLeia

“A temperatura vai subir já no primeiro encontro. Então, vista-se com segundas intenções, sem deixar de lado os tecidos fluidos, de cores intensas e formas sedutoras. Seu novo gato não vai resistir e o final desse encontro será… só o começo!”

50 coisas para fazer nuaLeia

“Atitudes ousadas para você curtir e exibir seu corpo – sozinha, com um gato e até com as amigas”

Para mim, Nova nutre a imaginação de mulheres normais que acabam se massacrando com todas as exigências da Mulher Maravilha do século XXI. Sou muito feliz com a minha profissão e meu emprego, sou feliz solteira e não estou desesperada para prender o peguete da vez, tá longe de ser gostosa, de ter um corpo perfeito, de querer sair por aí soltando olhares 43, mordiscadas nos lábios para seduzir ou aplicar alguma das milhares de dicas da revista até porque, tenho a impressão de que qualquer homem com o mí­nimo de bom senso deve olhar para as mulheres que aplicam isso entre 4 paredes e pensam: WTF?

TULE, PAPEL CREPOM, COLA BASTíO, TESOURA SEM PONTA, VENTILADOR E CARíO: VAMOS FAZER A CAPA DA NOVA

Nova definitivamente não me representa. Assim como todas as mulheres de verdade desta década, tenho minhas imperfeições mas isso não me impede de ser feliz de verdade, de viver meus momentos, de curtir a vida. Não quero dicas para segurar meu homem, não quero saber qual a roupa que faria atrair todos os olhares, não preciso de um guia de etiqueta sexual para conduzir meus novos relacionamentos. Gosto das coisas simplesmente por gostar, não para agradar ninguém. Quero me vestir da maneira que eu acho que é a minha cara e não porque uma pesquisa X disse que saia Y combinada com sapato Z atrai mais homens. Não preciso levantar qualquer bandeira, seja de mulher independente, de “feminista” ou qualquer outra coisa que as matérias levante para ser quem eu sou. Não preciso de um manual de instruções para conduzir minha vida, meus gostos, minhas escolhas.

Não dá para levar essa revista a sério. Mesmo. Para mim, ler as matérias da Nova virou sinônimo de piada, de humor, de troll, assunto de conversa no bar com as amigas.

Rihanna em SP e o que esperar da Loud Tour no Brasil

postado em  •  3 comentários

Não sou uma super fã de Rihanna, mas confesso que dentre a nova safra de divas do pop, ela está entre minhas favoritas, junto com a Ke$ha e Gaga. Fui ao show dela ontem sem grandes expectativas e muito menos esperando que seria o show da minha vida como o da Madonna e do U2. E não foi, mas também não significa que tenha sido ruim. Morno talvez seja a melhor definição para a apresentação da musa.

RIRI MOSTRANDO PORQUE í‰ A íšNICA GAROTA DO MUNDO

O show atrasou 1h, um atraso que sinceramente não me incomodei porque entrei na Arena 40 minutos depois do horário previsto para o iní­cio, mas que irritou, com razão, quem chegou ali cedo para garantir seu melhor lugar. Por volta das 22h30, Rihanna surge no palco sem o icí´nico cabelo vermelho da era Loud e um body cavadí­ssimo mandando de cara Only Girl, seguida dos outros super hits Disturbia, Shut Up and Drive, Man Down e S&M. A sequência matadora foi interrompida por outras 5 músicas desconhecidas do grande público (com excessão de Breakin’ Dishes do Good Girl Gone Bad), que felizmente foi emendada por outro set com 10 de seus prováveis maiores hits, como Unfaithful, California King Bed, What’s My Name, Please Don’t Stop The Music, Rude Boy e fechando com chave de ouro com Umbrella. Se algumas pessoas disseram que se incomodaram com algumas mudanças no setlist da tour brasileira, minhas únicas reclamaçíµes foram com relaçíµes a falta de interludes nos intervalos (umas 2x o palco ficou todo escuro, sem som, sem nada), nenhum efeito especial no palco e nenhuma troca de roupa sequer. Não que eu ache que isso seja essencial, mas para mim ficou claro que foi uma forma de aproveitarem a presença dela para o Rock In Rio e fazerem uma tour “diferenciada” pelo paí­s.

No quesito presença, o fato de Rihanna interagir pouco com o público em cima do palco é facilmente superado quando ela mostra que canta ao vivo (MESMO!), ensaia dancinhas, sensualiza, faz graça na bateria, desce para festejar com os fãs que estavam na primeira fila da pista premium e brinda o público virando um shot de Tequila antes de Cheers. Mostrava por esses pequenos gestos que gostava de estar ali, fazendo o que sabe de melhor. Fofa define.

í‰ um show para você ir sem grandes expectativas, sem achar que vai ser o show da sua vida. í‰ um bom show feito por uma boa artista, só. í‰ o tipo de programa para você com os amigos, sem grandes pretençíµes, simplesmente pelo fato de estar ali, dançando e se divertindo ao som de uma boa música pop -porque isso Rihanna sabe fazer, e muito bem.

Espero que Rihanna cumpra sua promessa e volte para o paí­s em breve, mas desta vez com um show tão grandioso quanto sua presença no mundo pop.

PS: Aproveito este post para agradecer a companhia dos lindos Gui, Alyce, Vike, It Guels e o Fer pela companhia e a noite incrí­vel de ontem <3