Whitney e a carência de divas e músicas para a eternidade

postado em  •  5 comentários

MAIS UMA DIVA DEIXANDO O Cí‰U MAIS ESTRELADO

Algumas das coisas boas que eu aprendi a apreciar musicalmente foram ouvindo o que meus pais costumavam ouvir em casa. Madonna por exemplo, foi a minha primeira artista “adulta” favorita e olha que eu tinha lá pelos meus 6 anos quando comecei a gostar, no ápice da sua fase bitch. E também sempre teve espaço para as grandes divas. Cresci ouvindo alguns dos clássicos das grandes divas dos anos 90 em alto em bom som por influência dos meus pais, mas despertei minha paixão por elas lá pelos meus 13, 14 anos. Nessa época, era bem fã da Mariah Carey, que me levou a ouvir outras coisas no mesmo estilo que ela, como a Whitney.

Quem tem lá pelos seus vinte e poucos anos deve lembrar das mães se acabarem de tanto chorar assistindo O Guarda Costas, dos grandes duetos e especiais como o Divas Live. E com certeza deve ter entrado na valsa de 15 anos de uma das suas melhores amigas com seu par embalada por alguma dessas vozes. Na minha festa, apesar de não ter sido nos moldes tradicionais, Whitney estava lá com It’s Not Right But It’s Ok, um dos hits do comecinho dos anos 2000, mas perdi a conta de quantas amigas e conhecidas vi entrarem ao som de I Will Always Love You ou Greatest Love Of All.

Confesso que não sou fã da Whitney como fui da Mariah por exemplo, mas é impossí­vel não lamentar a perda de mais uma voz que fez parte das nossas vidas em algum momento delas. E tão triste como a perda de vozes poderosas como a da Amy no ano passado e este ano da Etta James e agora Whitney, é ver que estamos ficando cada vez mais carente de grandes í­cones da música, de hinos e de músicas para a eternidade. Músicas como essas que passam de pai para filho, assim como meus pais passaram para mim o gosto por artistas como Whitney.

PS: esse não era o comeback que eu gostaria de fazer no blog depois de semanas sem atualizar, mas como fã da boa música pop e de uma “velhinha”, me dei este direito. E sim, amanhã as atualizaçíµes voltam ao ritmo normal, amém.

5 comentários em “Whitney e a carência de divas e músicas para a eternidade”

  1. Kelly às 10:01

    É triste ver pessoas que fizeram parte da nossa vida mesmo que distante partirem.

  2. Michelle Duarte às 09:40

    Oi Victoria,

    Amei esse post. A Whitney é mesmo uma diva, em todos os sentidos: voz maravilhosa, beleza radiante, vida triste e morte trágica. Que pena. Que perda.
    Também adoro "It's not right, but it's ok!"

    Beijocas

  3. mariwatanabe às 17:34

    Que bom que está de volta :)

    Ainda estou em choque com a morte da Whitney. Eu nunca fui muito fã de divas, mas confesso que escutava a Mariah escondidinha no quarto. Hihihi.

    Beijos.

  4. João Terceiro às 17:23

    Quando criança, acreditava que alguns famosos, que eu nem sabia que eram famosos, eram apenas pessoas que tinham influência em determinada coisa, não morriam. Tipo o Papa João Paulo, sempre acreditei que ele seria eterno, fiquei assustado quando ele morreu. Aí a gente cresce, e percebe que aqueles nomes de sucesso, que você ouvia e nem sabia quem era, que marcou de alguma forma sua infância, estão partindo, acabando. E vem a sensação de que ficará só os atuais, descartáveis. Fiquei chocado com a morte da Whitney, foi uma surpresa desagradável. Espero que esteja num bom lugar.

  5. DonaFarta às 17:11

    Aquele momento em que você vê lê o que a sua coleguinha linda escreveu:

    ""Quem tem lá pelos seus vinte e poucos anos deve lembrar das mães se acabarem de tanto chorar assistindo O Guarda Costas, dos grandes duetos e especiais como o Divas Live.""

    E daí você pára e pensa que VOCÊ (e não sua mãe) siacabou de chorar (e também deu uns amassos no namorado) vendo "O Guarda Costas" numa sala de cinema no Centro Velho de SP, que VOCÊ (e não sua mãe) quase pirou quando ganhou o VHS Divas Live, e que VOCÊ (e não sua mãe) viveram o auge dos anos 90 quando Whitney estava no topo…

    Neste momento você se dá conta de que definitivamente a terceira idade chegou. hahaha

    Anyway, adorei o texto, Flor! Beijosssss, da Titia (literalmente) Farta! rs

Deixe seu comentário!