Dos discos que marcaram minha vida

postado em  •  15 comentários

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais. Para ler todas as blogagens coletivas do Rotaroots, clique aqui. Quer participar? Então faça parte do nosso grupo no Facebook e inscreva-se no Rotation.

Quem acompanha o blog já deve ter percebido que música é um dos meus assuntos favoritos. E é mesmo. Sou movida í  ela em todos os momentos: da hora que eu acordo ao momento até o momento que eu chego em casa depois de um longo dia. Gosto mesmo e adoraria que minha vida, que eu costumo brincar que é um grande sitcom dado as bizarrices que acontecem nela todo o dias, tivesse uma trilha sonora.

discosvida

Para celebrar o “Dia do Disco”, comemorado no último dia 20, o Rotaroots propí´s nesta blogagem coletiva que nós contássemos quais eram os discos que marcaram nossa vida ”“e não necessariamente os favoritos. E olha, vou fizer que foi difí­cil pra caramba separar os meus favoritos dos que realmente marcaram minha vida, ainda que eles se confundam em vários momentos.

Vamos a minha lista? :)

1986-1995: Xuxa, Xou da Xuxa (todos)

Xou_da_Xuxa

Assim como boa parte das crianças nascidas entre os anos 80 e começo dos anos 90, Xuxa foi meu primeiro í­dolo. Eu AMAVA a Xuxa, era louca por ela e meu grande sonho era ser paquita, só para ficar perto dela todos os dias. Tomava café da manhã na hora do “quem quer pão”, fazia altas coreografias nas festinhas infantis ao som dos hits da rainha dos baixinhos, tinha o microfone, a sandália, comprava sopa de letrinhas dela, enfim, muito fãzoca.

Aliás, pode incluir nesse cálculo todos os álbums da Xuxa até o “Tí´ de Bem Com a Vida”.

1992: Freddie Mercury, Barcelona

Freddie-Mercury-y-Montserrat-Caballe-Barcelona

Meus pais nunca foram muito musicais, mas sempre ouviram poucas e boas coisas, daquelas músicas para a eternidade. Cresci ouvindo Abba, Cher, Gal, Madonna, Michael Jackson e principalmente, Queen e Freddie Mercury.

Lembro que todos o dias, minha mãe colocava a vitrola o vinil do “Barcelona”, trabalho solo do Freddie com Montserrat Caballe. Na época achava um saco porque eu queria ouvir Xuxa, Paquitas ou Trem da Alegria, mas hoje acho o máximo. Toda vez que eu escuto “How Can I Go On”, lembro da minha infí¢ncia, dos meus pais e do apartamento que a gente morava.

1993: Madonna, Erotica

madonnaeroticafr-8032c0790b490a692007969476ae5109

Comecei a gostar da Madonna ainda bem novinha, quando ela veio para o Brasil com a “Girlie Tour”. Na ocasião, gravei absolutamente tudo em VHS: dos especiais que os canais transmitiram com clipes ao show, que passou ao vivo na Globo.

No Natal daquele ano, meu pedido de presente não poderia ser outro: um LP da Madonna. E acabei ganhando, da minha mãe (!!!!!1111), o Erotica, que era o álbum mais recente dela. Na época eu não via malí­cia nas coisas e nem manjava nada de inglês né?. Minhas músicas favoritas do álbum são as mesmas até hoje: <3 Deeper and Deeper <3, Bye Bye Baby, Rain e Bad Girl.

1997: Spice Girls, Spice

spice-girls-spice

Spice marcou o fim da minha infí¢ncia e começo da minha adolescência. A primeira vez que eu ouvi falar da girlband foi em uma matéria na Capricho, e o que havia me chamado mais a atenção era que uma das integrantes tinha o mesmo nome que o meu. A banda não era famosa no Brasil e as rádios ainda não tocavam aqueles que viriam a ser os maiores hits da história do pop 90s com a mesma frequência que meses depois.

No dia seguinte, em um passeio no Mappin (entregando a idade), encontrei o CD e pedi para minha mãe comprar para mim. Nesse dia também trouxe o primeiro da Shakira para casa, que já fazia sucesso com Estoy Aki. Porém, o amor pelas Spice foi maior e no mesmo instante que eu ouvi o álbum, virei fã das meninas.

O resto da história já contei aqui no blog: tive fã-clube, pastas, grupo cover de brinks com as amigas e um monte de lembranças boas que perduram até hoje.

1998: Hole, Celebrity Skin

album3

Um pouco depois de me apaixonar pelo No Doubt, conheci o Hole. Meus amigos diziam que não gostavam da Courtney, que “ela era uma vaca” e coisas do ní­vel, mas eu achei incrí­vel uma mulher tocando guitarra. E amei Doll”™s Part.

Meses depois, assistindo o Disk MTV, ouvi pela primeira vez Celebrity Skin e amei. Amei tanto que me programei para gravar o clipe em VHS no reprise para ouvir a música. E depois veio Malibu, que se consagrou como uma das minhas músicas favoritas da vida.

O “Celebrity Skin” marcou diferentes momentos da minha vida, mas acredito que o mais importante dele foi me apresentar para o rock e outras bandas, como o <3 Garbage <3, Smashing Pumpkins e o Placebo.

1999: Backstreet Boys, Millenium

M

Eu já era fã de BSB quando eles lançaram o Millenium, em 1999. Lembro exatamente do dia em que “I Want It That Way” foi lançado, com a outra versão, na Jovem Pan, do dia que o clipe estreou na MTV com a versão completamente diferente da lançada nas rádios, de quando eu fui na Americanas para comprar o CD no dia do lançamento e fiquei implorando para a moça do caixa me dar o pí´ster (e consegui! HAHAHA).

Assim como as Spice, o BSB foi responsável por vários momentos bons da minha vida e por me aproximar de pessoas que foram importantes na minha adolescência. Hoje restam as lembranças e o sentimento de fangirling adormecido que ficou tocado quando descobriu que o Nick casou recentemente (e nem foi comigo :/).

1999: Mariah Carey, Rainbow

Mariah+Carey+-+Rainbow+iTunes+cover+600x600

Poucos sabem, mas houve um tempo que eu era muito fã da Mariah HAHAHAHA!. Sério, na época eu curtia muito mais ela do que a Britney e mega vibrei quando ela lançou o Rainbow porque eu amava Heartbreaker. Na época, até cogitei pedir para minha mãe fazer um bustiê de crochê rosa igual ao dela no clipe, mas odiava minha barriga e acabei desencanando da ideia.

Rainbow me lembra uma parte muito boa e divertida da minha adolescência, que incluí­a as festinhas na garagem de casa aos finais de semana, os passeios nos shopping com a minha melhor amiga e até, a aula de canto que eu comecei a fazer por influência da Mariah mas que desisti depois de um tempo porque vi que eu não levava jeito pra coisa.

2000: No Doubt, Tragic Kingdom

no-doubt-tragic-kingdom-album-cover

Talvez a nova geração não saiba, mas até pouquí­ssimos anos atrás, saber o nome de uma música era uma tarefa árdua. E como se não bastasse o nome da música, era ainda mais difí­cil saber quem cantava a tal música. Forma mais eficaz? Torcer para ver o clipe na MTV, correr para anotar o nome da música e do artista.

Para descobrir o nome da música cantada por uma mulher, que era um rock meio baladinha, não foi uma tarefa das mais fáceis. Foram bons meses, até que um dia vi na MTV o clipe: a música era “Don”™t Speak” e a banda era o No Doubt. Obviamente, liguei no mesmo dia para a rádio local, pedi para tocarem a música com o aviso para tocar até o fim porque eu ia gravar (quem nunca?).

Daí­ que eu conheci outras músicas da banda, fiquei obcecada pela Gwen e fiquei louca pelo cd, mas vivendo de mesada e com as versíµes fí­sicas carí­ssimas, me restava pedir de amigo secreto na escola e no aniversário. Foi ai que eu fui surpreendida: ganhei de aniversário o “Tragic Kingdom” de presente do meu primo da minha amiga do colégio, que eu tinha um crush. Como ele descobriu que eu queria? Oras, ela passou a lista dos CDs que eu não ganhei no amigo secreto e falou para ele comprar um deles. Coincidentemente, ele me deu o que eu mais queria. Melhor boy, sim sim?

Em contrapartida, ganhei de outro amigo nesse aniversário o do Maurí­cio Manieri ao vivo, porque ele achou que eu ia gostar.

tumblr_inline_mi2fxsW5841qz4rgp

Apesar de hoje o No Doubt ser uma das minhas bandas do coração e Gwen ser minha musa absoluta, o Tragic Kingdom continua sendo, de longe, meu álbum favorito.

PS: antes que alguém corrija, eu sei que o álbum é de 1995, mas eu ganhei ele em 2000 tá?

2001: Garbage, Garbage

garbage

Nessa época, eu já era muito fã de Garbage. Mas foi em 2001, 2002 que eu comecei a sair para a balada, que eram divididas entre as baladas ~top e coxa~ de Santo André e as festas alternativas que aconteciam nos bares mais rockers da cidade. E lembro que quando í­amos para estas festas, o primeiro cd do Garbage era a trilha oficial no carro do pai da minha amiga, responsável por levar e buscar a gente nas baladas.

2003: Placebo, Sleeping With Ghosts

sleeping

Conheci o Placebo por influência do meu ex, o Deh , e de alguns amigos nossos em comum que veneravam a banda. Apesar da gente ter brigado feio naquela ocasião, não peguei trauma da banda. Pelo contrário: sou dessas que aprendem a gostar de coisas novas depois de um tempo de convivência com outras pessoas.

O Sleeping With Ghosts marcou um perí­odo grande de transição, principalmente a saí­da do colégio e o começo da faculdade, os 18 anos, os primeiros blogs e a vida como eu conheço hoje. E fortaleceu meu amor pela banda, que é uma das minhas favoritas mesmo mais de 10 anos depois.

2007: The Killers, Sawdust

sawdust

Falar sobre os discos da minha vida e não citar nenhum da minha banda favorita seria um absurdo. E é engraçado como o Killers fez parte da minha vida nos últimos 10 anos, combinando o lançamento dos álbuns com diferentes momentos dela ”“por isso, foi dificí­limo não só separar o meu favorito do que marcou minha vida, como escolher um só.

Se o “Hot Fuss” marcou meu primeiro ano da faculdade de Hotelaria (sim, eu fiz faculdade disso antes de migrar para a publicidade HAHA), a coletí¢nea de bsides “Sawdust” marcou por outros motivos. Além do fim da faculdade, marcou um dos piores anos da minha vida por conta de uma música, “Sweet Talk”. Quando batia uma tristeza, ouvia essa música. Não sei se pela letra, pela melodia, ou por uma razão desconhecida, mas essa música sempre me transmitiu paz e um sopro de esperança em meio ao caos que estava minha mente.

E até hoje é assim: toda vez que eu me sinto triste ou estressada por algum motivo, pingo umas gotinhas de floral e dou o play nessa música.

2013: Lana Del Rey, Born To Die

10_Lana_Del_Rey_Born_to_die_The_paradise_Edition_10

Confesso que, apesar de curtir muito as músicas, morria de preguiça da Lana até ir ao show dela, no Planeta Terra do ano passado. Achava tudo muito forçado, sabe? Mas daí­ fui no show, assisti ao lado dos meus melhores amigos, achei a Lana fofí­ssima, espontí¢nea, sai querendo ser amiga dela e tudo mais.

Nessa mesma época do show, comecei a desenhar alguma das resoluçíµes para a minha vida dali para frente, muitas vezes ao som de “Born To Die”. E para fechar, ganhei de aniversário do meu melhor amigo, o Paradise Edition.

Agora quero saber de vocês: quais os discos que marcaram sua vida? Se sua vida tivesse uma trilha sonora, qual seria? :)

15 comentários em “Dos discos que marcaram minha vida”

  1. Deise às 21:27

    Amo seus posts!

  2. Anna Vieira às 17:11

    São praticamente os discos da minha vida tb! hahaahhaahah
    Sobre Heartbreaker, sim, eu usei mto um top de crochê rosa q minha mãe fez pra mim! hahahahahaha Ficou igualzinho ao dela, só q eu não tinha "nada" para encher o top, entende!? hahahaha

    Beijão!

  3. Marina Grigório' às 22:08

    The Killers marcou bastante uma década pra mim! Coincidência ou não, também marcou meu início na faculdade e eu ficaria com Hot Fuss! E a minha música melancólica preferida é "Jenny was a friend of mine" <3
    Atualmente tbm estou bem Lana, não pude ir ao show e assisti pelo multishow aos prantos! marcou um momento de mudança de casa, indo morar sozinha, e enfrentando novos obstáculos! Lana me salvou nesses últimos anos..

    sei lá, nunca comento, mas gostei demais das suas escolhas, me identifiquei em algumas e resolvi desabafar! :)

    1. Victoria Siqueira às 00:08

      Eu fiquei muito na dúvida de qual citar hahaha pior que todos casam exatamente com algum momento da minha vida, mas Sawdust entrou mais por causa de 2007 :B E Laninha, maravilhosa <3

      E ai que fofa <3 amo receber comentários assim <3 <3 <3

  4. Dani às 13:37

    #Chorey com "em contrapartida, ganhei o CD do Maurício Manieri"

  5. Ligia às 22:36

    How Can I Go On é minha recordação das viagens em família quando eu era criança! Parecia que eu só escutava essa música no carro! Rs

  6. érica às 22:11

    A única coisa que posso dizer: PLACEBO É MUITO AMOR!
    <3

  7. Fer Francischinelli às 13:09

    Com certeza, a primeira que eu me lembro e marcou muito (até hoje) foi uma fita k7 de Greatest Hits II do Queen. Eu quase estourei a fita de tanto ouvir.
    Na mesma época eu tinha uma fita da trilha sonora de Cavaleiros do Zodiaco na Manchete. Essa fita estourou mesmo =/
    Tiveram vários cds marcantes, BSB, Avril Lavigne (na época eu curtia…rs), Silverchair… por mais que eu não escute, estão lá guardados porque quando eu vejo a capa me trazem lembranças.
    O último que eu comprei foi da Marisa Monte, comprei no próprio show.

  8. Dayane às 11:43

    Que demais suas escolhas! É legal que dá para ver a sua "linha do tempo" musical, pois mta coisa até hoje você comenta e faz questão de relembrar no blog.
    Mto bacana!

  9. Mari às 10:49

    A parte das coisas velhas é a mais divertida. O CD mais velho que eu ainda ouço (= tem músicas dele no meu ipod) é o primeiro da Shakira, que eu mesma comprei na Mesbla (tbm sou velha) juntando várias moedas de troco do lanche da escola (não ganhava mesada).
    De discos qdo criança, eu tinha todos os ímpares da Xuxa até 93 (sei lá pq os ímpares, era coincidência rs). Mas eu acho que o Trem da Alegria me marcou mais (tinha uns 3 ou 4 discos deles).
    Eu sempre ganhava CD de dia das crianças (ganhei acho q quase até os 18 anos hehehe), então vários da sua lista ganhei assim. Teve um ano que eu queria o CD das Spice Girls e Sandy & Junior tbm, então eu meio que convenci minha irmã que ela queria Sandy & Junior e eu pedi o das Spice. Só que aí um mês depois minha irmã foi contar pra minha mãe que ela foi convencida por mim, que na verdade ela queria o das Chiquititas rsrs

  10. Talita às 09:06

    O primeiro primeiríssmo disco eu não lembro direito (muito provavelmente Xuxa, rs), mas o disco que mais me marcou COM CERTEZA ABSOLUTA foi Millenium dos BSB.. lembro que juntei várias migalhas de dinheiro durante um mês, fui com a minha mãe em outra cidade (alor interior!) e enquanto ela via uma loja de roupas, corri na Americanas e paguei VINTCHY REAIS por um CD em 2000!!! vinte reais era um absurdo de caro! quase apanhei na cara! mas quem liga?? eu fiquei com o poster deles grudado na parede do meu quarto até uns 16 anos, então os vintão renderam! sem contar na lembrança hehehe.. bons tempos!
    Beijo Vic, parabéns pelo post!

  11. Talita às 09:02

    O primeiro primeiríssmo disco eu não lembro direito (muito provavelmente Xuxa, rs), mas o disco que mais me marcou COM CERTEZA ABSOLUTA

  12. CDB às 12:15

    Amei! Animou minha manhã!

  13. Rodrigo às 11:47

    Gostei da lista! Da sua lista temos três CD's em comum que também marcaram minha vida:

    1997: Spice Girls, Spice
    1999: Mariah Carey, Rainbow
    2000: No Doubt, Tragic Kingdom

    Ainda tenho Rainbow e Tragic Kingdom.

    Não conhecia Hole, Colebrity Skin e estou ouvindo agora. Muito bom!

    Shakira – Pies Descalzos, Alexia (Uh la la la) foram meus primeiros cds. O da Alexia também tenho até hoje. Mi Reflejo da Aguilera foi um CD que cansei de ouvir. E um bem recente que ainda não foi lançado, mas que ouço o preview todos os dias é da cantora Anastacia – Ressurection. Já comprei o single Stupid Little Things e quando lançar vou comprar o álbum deluxe. Fica a dica, tá lindo o álbum.

  14. Evelyn às 11:45

    Hahaha! Lembrei de uns discos aí e me identifiquei. O da Xuxa, Barcelona (<3), o do BSB, Spice Girls e da Mariah Carey também me marcaram. Como não tinha essa abundância de música que temos hj ficava meses e meses ouvindo a mesma coisa hehehe!

Deixe seu comentário!