Sobre aquilo que eu não te perguntei

postado em  •  37 comentários

Semana passada me deu uns 5 minutos e resolvi fazer algo que há muito tempo queria fazer, mas faltava coragem: cortei minha franja. Ao contrário do que você deve estar pensando, não era a primeira vez que eu cortava franja: ostentei uma até meus 11 anos de idade, depois fiquei alternando em ter e não até os 24. Tem uns 4 anos que eu fiquei sugestionada com a opinião das pessoas que diziam que o fato de estar com o rosto mais cheio por eu ter engordado não combinava com a minha franja e que eu não tinha mais idade para usar um cabelo de ~criança~. Naquela sexta, resolvi ouvir minha voz interior e realizei meu desejo. E quer saber? Curti mais do que das outras vezes.

10150808_10152180331716847_7275980796753452112_n

No dia seguinte, tirei uma ~selfie~ no carro e gostei tanto da foto que resolvi botar de perfil no Facebook. Não deu nem 5 minutos e eu recebi uma inbox de um conhecido, daqueles que a gente mal tem um conví­vio, falando que não tinha curtido tanto assim a franja. Em outros tempos eu ficaria um pouco chateada, mas dessa vez minha reação foi mais ou menos essa:

LEGAL CARA, MAS EU GOSTEI PRA CARAMBA VIU?

LEGAL CARA, MAS EU GOSTEI PRA CARAMBA VIU?

Eu não sei em qual momento da vida eu perdi que as pessoas começaram a se sentir no direito de opinar sobre suas decisões, seu corpo, sua vida. Sempre fico chocada quando olho no Instagram seguidoras comentando nas fotos de outras meninas coisas do nível “não gostei do seu cabelo novo”, “ai nossa como você engordou hein?”, “nossa não come isso porque você vai engordar!!!”. Sério, que direito essas pessoas tem de chegarem na gente e questionarem nossas escolhas? Por que essas pessoas não guardam pra si mesmas suas opiniões? Por que raios ninguém pode estar feliz consigo mesmo e sempre tem que estar apto a ouvir o que os outros tem a dizer sobre suas escolhas?

Depois de muitos anos, estou aprendendo que a vida é muito mais legal quando nós mesmos temos controle sob ela e fazemos aquilo que temos vontade, independente da opinião alheia. Afinal, quem acorda, se olha no espelho e vive na própria pele é você mesmo, então o que importa de verdade é você se sentir confortável com aquilo. E (me perdoem pela referência bagaceira) parafraseando a diva do axé e cinderela baiana Carla Perez, se nem Jesus agrada todo mundo PORQUE RAIOS A GENTE TEM ESSA NECESSIDADE DE QUERER AGRADAR A TODOS?

dmuzbl

Se eu pudesse te dar um conselho, certamente diria para fazer aquilo que você está com vontade. Quer cortar franja? Corte, se não gostar do resultado, cabelo cresce rapidinho. Quer pintar o cabelo de uma cor ousada? Pinte, se não gostar, é só passar outra cor por cima. Quer usar uma determinada roupa? Use e não se importe com os comentários alheios. Quer comer um negócio? Coma, sem culpa.

A vida é muito curta para você viver para os outros, não fazer aquilo que tem vontade e ficar se preocupando com o que vão achar sobre você.

PS: sobre esse assunto, recomendo demais o post chuta-bundas da Gigi sobre o dia em que ela saiu de turbante fora de casa :)

37 comentários em “Sobre aquilo que eu não te perguntei”

  1. Jayhana De Nardi às 12:27

    Verdade, devemos para de viver para os outros e viver para nós.
    Hoje todo mundo quer dá palpite na nossa vida, mas vai ver se gostam que façamos o mesmo.
    Temos que viver e fazer o que queremos e não o que os outros querem. :)
    Bjs

    http://www.jayhanadenardi.blogspot.com.br

  2. Ana Wider às 19:08

    Nossa eu to apaixonada pelo seu blog! Vou te falar, amei esse post! Porque eu ainda me sinto meio vítima quando acontece isso comigo, to cansada de me perguntarem se eu já pensei em alisar o cabelo, ou de me avisarem que to com uma espinha na testa, ultimamente até to conseguindo responder, tipo, te perguntei? eu tenho espelho em casa. Eu to numa transformação, de menina vítima pra girl power e seu blog esta em ajudando muito! beijos!

    1. Victoria Siqueira às 23:46

      Oi Ana! Que coisa mais linda ler esse comentário seu <3. Tenho publicado pouco no blog por conta da correria que está minha vida, mas qnd leio comentários como o seu, abro um sorrisão e só reforça minha vontade de escrever aqui, ainda que a passos lentos.

      Poder se impor e fazer o que você quer é libertador. Passei a maior parte da minha vida fazendo o que as pessoas queriam que eu fizesse e passei todo esse tempo infeliz. Mas consegui me libertar disso a tempo de voltar atrás e fazer aquilo que eu tenho vontade. E você também, faça isso <3. Fico feliz por estar fazendo parte disso, de vdd <3 <3 <3

      Beijo!

      1. Ana Wider às 14:52

        Awn muito obrigada pelos conselhos! Você é cheia de personalidade e seu blog reflete isso, é maravilhoso! <3 Virei uma borboletandoholic ou borboletandonática, sei lá como se chamam seus fãs hahah beijos <3 <3

  3. Kah Souza às 13:35

    Só vi esse post agora que você jogou ele lá no rota, e parabéns, sério.

    Esse último ano foi bem complicado pra mim em relação a esse problema de se importar com o que os outros estão pensando. Sai de um relacionamento em que era julgada pelo lado que estava minha franja, comentários do tipo “que franja estranha, melhor colocar ela pra frente, vai ficar melhor”. Antes disso, na minha primeira tentativa de deixar o cabelo vermelho “agora até que seu cabelo tá bonito, mas essa cor, aff” e entre outras coisas que acabaram com minha auto estima e quase me levaram a depressão, mas que nem quero lembrar agora. Depois de acabar com esse exemplo de como não deve ser um relacionamento, esse ano resolvi pintar MESMO o meu cabelo de vermelho, e ouvi de alguns conhecidos que eu deveria pensar no tom do vermelho, se eu tinha certeza que deveria pintar de um vermelho muito forte, “olha o tom da sua pele, não é tão branquinha” entre outras coisas. E enfim, pintei, to muito feliz, obrigada – e quem não gostou em mim ou não gosta de cabelo vermelho vai ter que apenas superar isso e cuidar do próprio cabelo, pq, né?

    Esse textão em forma de comentário foi só pra enfatizar que quanto mais a gente se preocupa com a opinião alheia, mais mal faz pra gente mesmo, que acaba ficando pilhado a cada passo que vai dar… com medo do que fulano vai pensar, se cicrano vai apoiar e enfim… Eu ainda to num processo de ~aprender~ sobre isso e voltar a ter plena segurança sobre minhas escolhas, espero chegar lá <3. Beijos.

  4. Sheila às 21:51

    Adorei isso! Pondo em prática em 3,2,1.
    Ps: mas a franja ficou linda, tenho 33 anos e 4 filhos e tô louca pra fazer tbm😘

  5. Clarissa às 21:40

    Gostei : )
    Acho que necessidade de falar o que acha da vida alheia começou quando se perdeu o respeito pelos outros como pessoa, como ser humano.
    Falam como se aquilo não afeta-se em nada, como se fosse normal, mas não aguentam o mesmo. Isso quando nem o nome real usam .
    Paralelo a isso acho que no mesmo momento também perderam a educação né…
    enfim, curti o post, e curti a franja!

  6. sortimento às 09:28

    Amei esse post!!! Muito pertinente! :)

  7. Fernanda às 12:51

    Uma coisa que me intriga é, se ninguém perguntou, por que as pessoas tem essa necessidade insana de criticar? Principalmente on line. Já ouvi o argumento de que se está na internet e apessoa se submeteu à esse crivo alheio aleatório. Não concordo. Um blog, um face, é um canal pessoal, que a pessoa coloca o que ela acha legal. Se eu vejo algo que não curto ignoro e ponto. Mas se curto faço questão de elogiar, porque sei que sempre sobram críticos, é legal apoiar. E geralmente quem ama criticar esconde a covardia atrás desse comportamento mesquinho. Pronto, revoltei também.

  8. avecgigi às 15:45

    linda <3

  9. Dayane às 14:12

    Adoro quando as blogueiras que eu gosto fazem posts levantando a auto estima da mulherada e dizendo não para a padronização da beleza inalcançável. DE SE AMAR independente do que os outros falem. Sua franja ficou linda, de verdade, acho mto difícil franja não ser bonita em alguém. E quem diz o contrário, tem direito de achar, mas penso que essas pessoas se dão ao trabalho de falar é porque se incomodam com a lindeza alheia rssdrs
    Parabéns Vic, ótimo post!

  10. Paula A. às 21:21

    Post pra glorificar em pé <3

  11. Aline às 13:46

    Sério que essa é você com rosto 'cheio' e de franja? hahahahahha
    O mundo anda perdido!! Adorei a franja, amei a coragem e certamente irei me inspirar, pois vivo o mesmo dilema, a diferença é que meu rosto é redondindo hahahahahah

  12. Vanessa S às 20:00

    Acho esse post bastante hipócrita. Como assim você escolhe se expor em redes sociais de todos os tipos e não quer receber opiniões? Coerência mandou um beijo né. Faz favor. Se não quer opiniões, não tenha perfis públicos em redes sociais ué. Mimimi gratuito.

    1. Victoria Siqueira às 10:18

      Mene do leitor que me chama de hipocrita mas faz comentário com nome e e-mail fakes, tá certinho ¯_(ツ)_/

      Posso ser hipocrita, mas ô: ao menos tô aqui, de cara limpa (ou quase isso pq tem maquiagem e filtro do Instagram risos) dando a minha a bater hehehe

      Beijos de luz!

    2. Daniela às 19:59

      Concordo plenamente. Acho que quem não quer opiniões não tem perfis públicos. Quem não quer opiniões, faz como você, usa perfis falsos. Se você quisesse, daria sua cara a bater. A pessoa não pode fazer tudo o que quiser? Inclusive cortar a franja de um jeito que fique horroroso? Então qual o problema em não querer dar a cara para bater? Qual é o problema de uma pessoa ser covarde? Só porque não sou covarde, ninguém pode ser? As pessoas sempre terão opiniões a nosso respeito, sejam boas ou ruins. O fato da gente gostar ou detestar não muda em absolutamente nada isso. Acho hipocrisia dizer que não está nem aí para a opinião alheia. Claro que está! Todos estão MUITO aí para isso e sempre estarão, por mais que digam o contrário.

      1. Victoria Siqueira às 20:12

        Então Daniela, só acho que a vida é muito curta pra ficar me preocupando com o que acham de mim e deixar de fazer as coisas que me fazem feliz, incluindo "cortar a franja de um jeito que fique horroroso" :)

  13. Roberta de Felippe às 03:02

    Falou e disse. Aliás, falou tão TUDO que nem sobrou o que comentar.

    1. Victoria Siqueira às 10:29

      <3 <3

  14. Sâmela Faria às 23:29

    Perfeita colocação! É bom para pararmos e refletir a respeito, porque muita das vezes, nós nos submetemos a tal atos sem ao menos perceber, sabe? Parece ser interiormente do ser humano. Adorei o texto e suas expressões sobre o assunto. Parabéns pelo blog!! http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

  15. Bianca às 21:06

    Tem uma Jovem Aprendiz no meu trabalho que está sempre maquiada, com a sobrancelha marcada, batom mais escuro. Mas é uma menininha brincando de colorir, ainda não sabe se maquiar direito. Daí ganhou o apelido de Emília, dizem que ela se pinta igual à boneca, ficam fazendo piadinhas, debochando.
    Daqui a uns anos essa menina vai olhar pra trás e dar risada da própria maquiagem, como a gente faz com os penteados e roupas que achávamos incríveis e hoje achamos ridículos. Deixa a menina se maquiar em paz, com a prática ela aprende, ou não, problema dela.
    Eu tô cansada de viver no meio de tanta gente intolerante, se metendo na vida dos outros à toa. Tanta coisa mais grave acontecendo no mundo e as pessoas fingindo que não veem, pra não se sujar, e dando importância ao que não deveria ser comentado, apontado…
    Enfim, me alonguei rs Eu adorei sua franja. Mas sou suspeita, adoro franjas. Mais do que franjas, adoro pessoas felizes e se você gostou dane-se o resto. <3

    1. Victoria Siqueira às 10:32

      Pois é Bianca. Sabe, todo mundo já "pagou um mico" assim, e tá tudo bem sabe? As pessoas se importam muito com os outros e o que eles fazem com a própria vida. Sabe, deixa as pessoas usarem o que elas querem, se maquiarem como gostam, usarem a roupa que tem vontade, sair com quem elas quiserem. Cada um sabe o que é melhor pra si.

      E obrigada pelo elogio a franja hihi

      :*

  16. Mareska às 11:07

    É essa mania cretina que as pessoas têm de acharem que a opinião delas é sempre válida e sempre importante e, portanto, sempre precisa ser dada. Só que, cara, 'ce não precisa dar sua opinião sobre tudo, sabe? Se não gostou do cabelo da fulana, garanto que NINGUÉM quer saber disso – e a fulana muito menos.

  17. Chell às 09:27

    Texto ótimo junto com esse gif MARAVILHOSO da Brit! *___*
    Acho coragem de quem corta franja, tive quando pequena e simplesmente odiava ter que ficar cortando a maldita a cada 15 dias porque entrava no meu olho, ou porque estava calor e ela me causava brotoejas. Mas acho que em vc ficou lindo. Aliás, mesmo que eu não tivesse gostado, q se foda né? =D

    Não sei o que dá o direito nas pessoas de te criticar. Eu e meu cabelo somos alvo de xingamentos e tudo mais… até fiz post no blog a pouco tempo sobre o que já passei com ele. Porque as pessoas tem que me gritar q é ridículo? Eu cago pra opinião delas e acho o máximo =D

    Don`t worry, be happy. =D

  18. Joyce Nunes às 21:11

    É… as pessoas opinam mesmo, não tem jeito. No meu mundo ideal e rosa, em casos em que a opinião não foi pedida, as pessoas só deveriam opinar quando tem algo positivo e favorável pra dizer. Caso contrário, guarde para si, guarde para uma oportunidade mais apropriada. Mas, como disse, esse é meu mundo ideal e rosa.
    Eu penso assim pois, na rua, ninguém sai gritando (acho eu) para as pessoas que passam: "oi, vc é feia" "oi, seu cabelo tá feio" e coisas do tipo. Mas, do contrário, muitas pessoas elogiam cordialmente "desconhecidos" (e não, não tô falando que cantada sem graça – tô falando daquela moça que diz o quanto gostou do seu vestido ou da cor do seu batom e vice versa).

  19. Nay às 20:17

    Acho que é como um efeito "curtir" só que ao contrário. Como a gente se permite ser avaliado quando as pessoas gostam do que postamos, provavelmente deve haver um sentimento de querer criticar da mesma forma, mas o botão de "Não curti" não existe [nem sei se deveria].

    Os pais/cuidadores conseguem só educar o que é falado, não o que é escrito e olhe lá. Aí as críticas viram ofensas e parece que a caixa de comentários feita por adultos é dominada por crianças que não sabem argumentar. "/

  20. Re Vitrola às 19:43

    Pois é Vic, foi o que postei esses dias no blog: para despertar as mais diversas opiniões alheias, basta fazer o que VOCÊ quer e não o que esperam que você faça. Pronto. É batata!

    É raro aparecer esses chatos em minha volta (acho que devo ter cara tipo de bruxa e intimidar, hahahah), mas quando aparece eu simplesmente ignoro. Nada tira da minha cabeça quando eu quero fazer algo. Se eu gostar, não importa o que digam, não vai mudar! hahahha

    Ah, e sei que já disse, mas sei cabelo tá MARAVILHOSO!
    Um beijo,
    Re

  21. Paula Pessoa às 19:31

    gente pra falar mal vai existir sempre, nem ligue, você tá linda e feliz com sua franja, como vc msm disse, faça o que quiser com seu corpo, afinal ele é seu né. Adorei o texto, me identifiquei total! Bjos

  22. Lec às 19:27

    *por favor, não taquem pedras*

    Eu acho o seguinte… no começo, foi uma onda de compartilhar tudo em blog e correr atrás de comentário / interação tão grande, que isso até virou profissão. Pedir interação, comentário, opinião, curtir, compartilhar… tudo foi alimentado por blogueiros / social midias. E agora todo mundo se acha no direito de opinar sobre qualquer coisa. Pq afinal, se me pediram tantas opiniões sobre tantas coisas nessa vida, agora eu opino no que eu quiser, do jeito que eu quiser.

    Obvio que eu acho que, se vc não tem algo útil a dizer, apenas não diga… mas eu acho que esta "invasão de privacidade" se deu por causa disso.

    1. YasmimC às 19:23

      Concordo e acho que pior do que aquelas que dão opinião sem serem chamadas, são as que pedem opinião e quando recebem uma que não gostam, ficam putas… hausuashua Não tem como agradar todo mundo, o jeito é tacar o f***** e fazer o que quiser e te deixar feliz

  23. Pamela às 19:17

    Aff, apenas uma coisa: TE AMO cada dia mais por isso tudo e mais um pouco rsrsrs

    Eu sou eu, doa a quem doer. E não, eu não perguntei o que você acha, queridinho. Beijo, não me liga.

    Bjss da sobrinha que ta com sdds de ver a tia pessoalmente :D

  24. bia lima às 18:35

    É engraçado essa coisa das pessoas terem tanto interesse em falar para os outros o que devem fazer ou como devem estar seja fisicamente ou não. A mais de um ano tenho tingido os cabelos de ruivo, mas enjoei, a todos que eu pergunto se eu deveria escurecer falam que está ótimo, mas sabe quando o espelho te mostra que não tá bom?! Acho que as pessoas as vezes sabotam as outras, ou por essa falta de coragem em mudar podam as vontades alheias.

  25. Angélica às 17:20

    Amei o post!! Confesso que ainda não tenho esse desapego, mas tenho treinado!! rs Sempre fui doida para cortar minha franja e muitas pessoas falavam que não ficaria bem e tals, mas resolvi cortar… e ficou ó, uma bosta!!! kkkkkkk não curti muito o resultado, mas valeu a experiência!! Enquanto isso, tô esperando o cabelo crescer! Acredito que o mais importante mesmo é você se sentir bem!!! E você está linda!!!

  26. talitamesquita às 12:58

    Tem gente que quer dá pitaco em tudo que é situação. Com Facebook, Instagram, Flickr e tals, acho que as pessoas
    se acham no direito de opinar em tudo. Esquecem que só existe o botão de "curtir" não o de "detestei".
    Eu ligava muito para comentários de outros. Me importava tanto de chegar à ficar mal. Mas agora… Percebi que sempre tem alguém que acha defeito.
    Na primeira vez que fiz luzes teve gente que disse que amou, outros não gostaram. Quando fiquei loira houve aquelas pessoas que amaram, outras criticaram. Fico morena, tem gente dando pitado. Foi aí que percebi que sempre tem quem fiquem enchendo o saco, assim, agora, faço o que eu me sinto bem.
    Estou para cortar minha franja também, mesmo com os mimimis: "Seu rosto é redondo…", "Você vai ficar com mais cara de menininha". E daí se eu ficar com mais cara de menininha? Minha genética já não é assim, porque tenho que ficar lutando contra isso para ficar com cara de mulherão? Momento revolta, estava guardando isso à um tempo. kkk

    Ah, e outra, seu cabelo está lindo! Samba na cara do recalque. =P

  27. Pamela Ribeiro às 12:28

    Que post digno, Victória! Amei, pior que é bem isso, viu? Eu cortei o meu cabelo bem curtinho, porque estava cansada de usar um cabelo só porque agradava mais as pessoas a minha volta, meu pai ficou super chocado e soltou um "porque você fez isso?" e eu falei, 'porque o cabelo é meu, a cabeça me pertence, essas coisas da vida". Porran! Pergunta besta, né? E tô super feliz com isso. u_u Adorei o post porque descreve minha vida no momento.

  28. Laurah às 10:57

    Acho que opiniões devem ser dadas quando agregam alguma coisa haha. Por isso dou a minha: AMEI a franja, tá linda!

  29. @bpadthai às 10:06

    REINE ABSOLUTA COM A SUA FRANJA, GATA!

    Estou com a mesma inquietação (e doida para cortar o cabelinho). Já tive fases de mudar o cabelo direto e sempre tinha algum engraçadinho ou ~hair stylist~ para me dizer o que era "melhor pra mim". Infelizmente, a internet potencializou essa fifizagem de todo mundo achar que sabe o que é melhor para os outros, mas acabou com aquele filtro de "guardar para si" ou só falar pelas costas: agora a moda é ser sincero, manda uma mensagem e tá tudo certo!

    Só que NINGUÉM PERGUNTOU!!!
    O jeito é manter o cabelo fabuloso com o leave-in das lágrimas das inimigas (ó aí mais um produto pra sua linha!!).

    Beijos :)

Deixe seu comentário!