dia-a-dia

Pequeno guia de ~sobrevivência~ para dias preguiçosos

postado em  •  13 comentários

Quem nunca acordou com aquela preguiça de se arrumar para ir trabalhar ou ir para a faculdade? Ou sair para resolver alguma coisa em pleno final de semana? Ou pior: quando o gatchenho te ligou avisando que vai passar na sua casa em 40 minutos e você está jogadí­ssima no sofá com ressaca da noite anterior?

PREGUIí‡A MAS PFVR GATíSSIMA

Não adianta: todo mundo tem daqueles dias em que a última coisa que você quer é penssar em se arrumar -e, se sair na rua cagadí­ssima, certamente será o dia em que você vai encontrar todo mundo que você NíƒO gostaria de encontrar.

Eu confesso que tem dias que eu acordo e morro de preguiça de pensar qual será o look do dia, quase sempre acompanhada da sensação do “eu não tenho roupa” mesmo tendo um guarda-roupa abarrotado dela. O mesmo vale para os finais de semana, em que tudo que eu desejo é ir para aquela balada animadí­ssima, o El Dredon e divar ao som do DJ Pillow.

Há quem recomende deixar a roupa separada a noite para o dia seguinte, mas comigo não funcionou muito porque sou dessas que gosta de se vestir de acordo com o humor, mesmo que eu não o faça sempre. O mesmo vale para os looks de balada, que muitas vezes eu idealizo durante todo o dia e na hora de vestir, desisto.

Por isso, inspirada nos dias de preguiça e zero inspiração, em que ~euzinha~ bem desejaria sair por aí­ usando pijama e pantufa, selecionei algumas ideias práticas e fáceis para dar um tapa no visual enquanto a cafeteira não passa o café.

#01- Coques fofos em 30 segundos

Sabe aquele dia que você acorda e o cabelo não tá legal, fazendo jus a expressão “bad hair day”? Que você prefere dormir mais 20 minutinhos do que acordar mais cedo para lavar o cabelo? O secador quebrou ou tá um calor tipicamente senegalês e você nem quer saber daquele ar quente na sua cara? í‰ esses momentos que um bom coque alto pode salvar vidas e ainda, te deixar com um ~ar~ super cool.

O site da marca Free People produziu um ví­deo aonde eles ensinam 3 tipos de coques fofos e cheios de estilo em apenas 30 segundos/cada.

E acredite: é possí­vel, inclusive para cabelo que não são nem médios nem tão longos, como o meu. Fiz o Carly”™s Bun, que é um com mais voluminho e bagunçadinho e consegui fazer de primeira.

COQUE ALTO PROPOSITALMENTE BAGUNí‡ADO EM ALGUNS SEGUNDOS: BAD HAIR DAY AGRADECE

Outra dica legal envolvendo coques, principalmente quando você lava o cabelo de manhã e vai sair para a balada a noite: deixe o coque bem torcido e solte só depois de algumas (boas) horas. O cabelo vai ficar levemente ondulado, e dá até para improvisar um penteado de lado, colocando um grampo na parte de trás para dar uma segurada no picumã.

#02 Mini-Rockabilly para o dia-a-dia

Quem tem ou já teve franja sabe como a relação é de amor e ódio. Para falar a verdade, mais ódio do que amor. Tem quem corte e se arrependa, os momentos em que dorme com a cara enfiada no travesseiro e ela acorda torta/amassada, quando o cabelo começa a ficar oleoso e ela fica desmilinguida. E no calor então? Um verdadeiro inferno. Mas confesso que apesar dos apesares, não consigo ficar muito tempo sem.

Para os dias de calor ou quando ela não está tão favorecida, apelo para um mini-topete, que eu faço em alguns minutinhos usando só um pente fino, grampos e spray fixador. Achei esse ví­deo da Jessy do Two Dots que ensina a fazer direitinho e sem firulas:

O mais legal é que além de fácil, ele pode ser feito também por quem não tem franja mas quer incrementar o penteado do dia-a-dia, como um rabo de cavalo ou o solto basicão.

#03 Cores na make para animar

Quanto acordo de mal humor, durmo mal ou estou com preguiça de fazer algo muito elaborado, geralmente recorro para algum batom colorido, como o vermelho ou pink, mesmo durante o dia, combinado ao meu bom e velho delineador gatinho preto. Dentre os vermelhos, o meu favorito de longe é o Ruby Woo da MAC, mas o das meninas do Starving para a Tracta, com um tom mais fechado e puxado para o vinho, também é magní­fico e baratchinho. Dentre os pinks, amor verdadeiro amor eterno para o Rare Exotic (linha semi-matte) da MAC e o Rosa do Mar da coleção da Bru Tavares para a Tracta.

ALGUMAS IDEIAS E INSPIRAí‡í•ES DE MAKE PARA DIAS DE PREGUIí‡A

Não curte batons muito coloridos? Anda cansada do delineador preto de cada dia? Então troque o delineador preto pelas versíµes coloridas como o azul. Apesar de nada básico, ao mesmo tempo não é ultra ousado mas faz uma baita diferença. Eu, que sempre fui apegada ao preto, virei fã dos delineadores coloridos, e costumo combiná-los com algum batom mais cor-de-boca ou rosa clarinho como o Pink Plaid da MAC e o Califórnia da Contém 1g. Dentre os delineadores, estou amando a Cor 6 da coleção Jeans da linha Intense de O Boticário -é um azul marinho, bem cor de jeans lindo, metálico e lindo.

Continue lendo →

Chilly, a pimenta mais doce da cidade

postado em  •  18 comentários

Há exatos 4 meses e 3 dias, contava aqui no blog sobre a minha dor de perder a minha pequena e amada cadelinha Jully. Dois meses e alguns dias depois, vinha contar para vocês a história da adoção da Lilly. E hoje, venho oficializar a notí­cia que quem me segue no Twitter ou curte o blog no Facebook está sabendo desde ontem: adotei mais uma cachorrinha! \o/

O desejo de ter 2 cachorrinhas é antigo. Quem é leitor do blog há tempos deve se lembrar da Belly que partiu no final de 2007 e era minha fiel escudeira junto com a Jully. Desde então, a idéia de adotar um segundo cachorrinho era recorrente, mas meus pais sempre vetavam toda e qualquer tentativa de adoção já que a Jully havia se adaptado muito bem como “filha única”. Quando a Jully partiu e eu comecei a cogitar as possibilidades de adoção, minha idéia já era de adotar duas cadelinhas, uma para fazer companhia para outra.

Na mesma semana que eu adotei a Lilly, uma amiga da minha mãe havia comentado com ela que a cadelinha do tio dele estava prenha e ele doaria os filhotes para quem realmente gostasse de animais. Para a minha surpresa nem precisei insistir para minha mãe para adotar um dos filhotes: ela mesma disse que queria uma fêmea para fazer companhia para a Lilloca, já que nós já haviamos notado que ela sentia falta de outros cães.

Ontem, 45 dias depois do nascimento, fui buscar a nova filhota, que é a coisa mais pequena e roliça da cidade!

Colocamos o nome de Chilly (é, com LLY para fazer jus aos cães da famí­lia) é por dois motivos: porque segundo a Alyce ela parece um Chinchilla e porque ela, segundo o tio da amiga da minha mãe, tem cor de pimenta do reino.

Já sobre a Lilly, ela está se adaptado ao pouco com a novidade. Apesar dela ter sentido a falta de outros cães antes da chegada da Chilly, ela anda super carente e morrendo de ciúmes da caçula, mesmo quando nós pegamos as duas no colo ou fazemos carinho ao mesmo tempo. A melhor parte é que o ciúmes da Lilly tem rendido boas risadas pra gente, como a bundada que ela dá na Chilly no ví­deo abaixo:

Enfim, tí´ feliz pra caramba Brasyl! Claro que ainda sinto saudades da Jully, mas tenho certeza que ela está duplamente feliz por mim agora, afinal, Lilly e Chilly tem feito meus dias muito mais divertidos e cheios de amor. E isso, não tem dinheiro neste mundo que pague.

Como eu já disse na outra ocasião, não sou só a favor da adoção de animais como também o faço e ajudo algumas protetoras independentes e ONGs de animais abandonados. Adotar um animal não é só um ato de amor pelos animais, mas também de cidadania. Antes de comprar um animal, que muitas vezes pode ser fruto de uma exploração animal, cogite a possibilidade de adotar um dos milhares cães e gatos que estão abandonados a espera de um lar em ONGs, CCZ e protetores independentes na sua cidade :D