Femme Fatale Tour

Britney e a Femme Fatale Tour em SP

postado em  •  10 comentários

Foram 10 anos de espera, contagem regressiva de 30 minutos, 1h30 para a realização do sonho de 8 entre cada 10 brasileiros fãs de música pop de acordo com estudos do Instituto Borboletando de pesquisa. Na última sexta-feira, eu e mais uma legião de 29,999 fãs fomos a Arena Anhembi aqui em São Paulo realizar o sonho de ver o í­cone/diva/musa/deusa/legendária e princesa do pop nas horas vagas Britney Spears, que junto com sua equipe de dançarinos e parafernalhas trouxeram a tour Femme Fatale para o Brasil depois de um jejum de quase 10 anos. E hoje, pouco 48 horas depois da realização do sonho, ficou a sensação de vazio misturada ao gostinho de quero mais.

A FíŠMEA E OS DANí‡ARINOS FATAIS (FOTO: T4F)

Conversando com alguns amigos, lendo a opinião de outros fãs em fóruns, tive a impressão de que o show do Rio de Janeiro foi infinitamente melhor do que o de SP porque Britney talvez estivesse com mais disposição e se sentiu mais em casa com os fãs cariocas e também de que algumas pessoas se decepcionaram porque esperavam uma outra Britney, aquela que dançava sensualmente em I”™m Slave 4U ou o furacão sexual da tour Onyx Hotel que todo fã sonha em ver ao vivo. A verdade é que aquela Britney não existe mais e os possí­veis motivos são muitos: a cirurgia no joelho em 2004 que a fez interromper a Onyx Hotel Tour, a maternidade, os problemas que ela passou nos últimos anos, o trauma pós VMA 2007, a falta de motivação para continuar a carreira ou a pressão dos empresários e mí­dia .

Fui para a Arena Anhembi sexta sem maiores expectativas de encontrar a tal Britney que reinou na década passada. E o que eu encontrei foi uma Britney muito diferente daquela que eu me apaixonei, mas ainda assim bem longe do que os crí­ticos adoram escrever por aí­: ela não dança mais como antes, é verdade, mas ainda assim dança muito bem e em alguns momentos a gente vê que ela se empolga bastante, como em I”™m Slave 4U. Ela pode não estar com aquela barriga que causava inveja em 11 entre 10 mulheres em todo mundo, mas está longe de estar fora de forma ou gordinha como adoram dizer por aí­, pelo contrário: tá magra, tá gostosa e arrisco a dizer que vi uma barriga querendo se desenhar de novo. A estrutura do palco veio BEM reduzida se comparada a tour norte-americana e canadense, mas ainda assim impecável, bem como os figurinos usados por ela e a trupe de dançarinos com coreografias de tirar o fogo. Faltou hits no setlist como Ooops!, Stronger e Circus, a roupagem que deram para algumas músicas ficaram ruins como a versão japa de Toxic ou o corte desnecessário de Baby One More Time, mas a gente deixa tudo isso passar quando a gente ouve Slave na versão original com direito a coreografia e performando Gimme More lindamente depois do epic fail no VMA 2007.

LOVE BRITNEY, HATE BRITNEY (FOTO: T4F)

@FELIPZZ GANHANDO O LAPDANCE MAIS DESEJADO DO POP (Foto: T4F)

O que não dá pra negar é que falta pimenta no Cheetos e gás na Pepsi da Britney de hoje. As performances são cheias de caras e bocas, praticamente marcas registradas dela, mas por várias vezes tive minhas dúvidas se as falas e poses faziam parte do script ou se foram naturais. Como bem disse a no post sobre o show, faltou espontaneidade. Teve sorriso, cara de surpresa com mão na boca, mas faltou brilho nos olhos, conversas longas com o público, ou ao menos, a alegria e a energia que os amigos cariocas viram 3 dias antes. Tudo bem que quando ela está ali no palco, a gente fica tão encantado que esquece tudo. Mas que todo mundo queria mais, ah isso não dá pra negar!

Tenho a impressão de que a velha Britney ainda está lá, escondida e reprimida daquela loirinha com um pouco mais de 1m65, ofuscada pela pressão dos empresários e do pai em ser um sí­mbolo sexual e se manter no posto de substituta de Madonna e pela imprensa, que insiste em ficar em cima de sua forma fí­sica. Talvez Britney precise de tempo, de amor, de diversão, de espaço e dela mesma. Talvez Britney precise ser menos “overprotected” e seguir os conselhos que ela mesma canta na música.

Ainda assim, com tantas coisas que poderiam me deixar decepcionada, devo confessar que eu amei estar ali, independente de qualquer coisa. A Britney em si tem potencial para brilhar muito mais, está longe do que a maioria dos fãs gostaria de ver, mas é bom ver que ela está se ajeitando, mesmo que aos poucos. í‰ bom vê-la linda e saudável na medida do possí­vel, depois de ter acompanhado e torcido por ela durante os momentos crí­ticos. Saí­ dali emocionada, arrepiada, com lágrimas nos olhos e com o desejo de vê-la novamente em breve, e quem sabe, totalmente restabelecida.

Dualidades e incoerências que só fãs da Britney entendem.

PS: no Youtube tem o show de Toronto da tour na í­ntegra. Para matar as saudades do show enquanto o DVD oficial não chega í s lojas :D