smashing pumpkins

Teve Lolla em 2015, sim. E foi lindo!

postado em  •  2 comentários

lolla2015

Dai que eu fui no Lollapalooza Brasil 2015. Meio no acréscimo do segundo tempo, mas eu fui e se não tivesse ido a uma hora dessas, exatamente 1 semana depois do festival, estaria morta de arrependimento ou chorando no cantinho de tanta mágoa.

Esse foi o primeiro ano que eu demorei para me empolgar com o Lolla e não faltaram motivos para isso. Primeiro que o lineup era bem fraco em comparação aos anos anteriores e, na minha concepção, bem 8 ou 80 -ou tinha coisas que eu queria muito ver, como o Smashing Pumpkins e o Foster The People, ou coisas que eu não gostava/simplesmente não conhecia. Em segundo porque Interlagos é longe para dedeu e, como se não bastasse isso, a distância entre os palcos dentro do festival é enorme (alguns palcos chegam até 3km!) e um tempo de intervalo entre shows ridículo, o que faz com que você seja obrigado a priorizar o que ver ou tirar no palitinho caso eles aconteçam na mesma hora. E aí entra o terceiro problema: nem tudo o que você quer ver é o que seus amigos também querem ver e na condição de única pessoa emo-gótica-suave-vampira-roqueira do rolê, ia ter que ver aos shows sozinha -o que venhamos e convenhamos, faço em último caso porque acho chato demais.

Mas parece que o jogo virou mesmo e meu Lolla que tinha tudo para ser um fiasco foi maravilhoso e inesquecível. A saga do Lollaweekend 2015 começou no sábado a noite bem longe do Autódromo à convite da Sempre Livre, para conferir o Lollaparty do Foster The People. Independentemente de ir no domingo, eu já estava considerando fortemente a possibilidade de ir ao sideshow dos moços porque eu queria ver a performance deles de perto e fugir do tumulto que seria formado no show de domingo no Festival. E olha, preciso dizer que o convite veio em boa hora e a decisão de ver o show deles, certeira: casa pequena e de quebra, consegui um lugar estratégico longe da muvuca e ao mesmo tempo do ladinho do palco, com direito a Mark Foster tocando teclado e guitarra na minha cara. Melhor lugar, sim (x) com certeza (x)?

Eu, que comecei a gostar de Foster depois do boom deles (sim, comecei a curtir eles tem uns 2 anos hahaha!) fiquei surpresa com a qualidade do show e saí com vontade de acompanhar mais de perto o trabalho da banda (e juro que nem é só pelo Mark Foster, novo mozão platônico indie). Me diverti hororres, cantei todas as músicas, vi tudo de pertinho e ainda consegui voltar de boas (e sem estar cansada) para casa. Se dependesse de mim, todas as bandas do Lollapalooza fariam shows dias antes em casas pequenas para que a gente possa de fato curtir o show e não só a vibe de festival #idades #velhices.

Já no domingo, foi dia de ir para o Autódromo a convite da Pepsi e curtir o Lollapalooza, agora no meio da muvuca. Como fui com uma amiga que também queria ver as mesmas coisas que eu, combinamos de ir mais no final da tarde para ver mais um pouco de Foster The People (só que dessa vez, de longe :~) e, principalmente, o Smashing Pumpkins.

Foto por I Hate Flash para Lollapalooza Brasil

Foto por I Hate Flash para Lollapalooza Brasil

O Smashing Pumpkins foi uma das primeiras bandas de rock que eu comecei a curtir, junto com o Garbage e o Hole, tornando-se uma das minhas trilhas sonoras favoritas da adolescência e que eu tenho um carinho super especial até hoje. Nunca tinha visto a banda ao vivo, apesar de uma passagem deles bem contraditória e duramente criticada no Planeta Terra 2010 e que me fez ficar menos arrependida de não ter ido na ocasião. Quando eles anunciaram a participação no Lolla, fiquei entre ir pela realização de ver uma banda que eu adoro ao vivo e não ir com medo de destruir as boas lembranças que eu tenho da banda com um show ruim, como já aconteceu com o Kings Of Leon no SWU (pior show da minha vida, de vdd). O fator decisivo para decidir ir ao festival para vê-los foi depois de assistir a excelente performance completa da banda no Lolla Chile, que me convenceu a ir e aproveitar essa pode ter sido minha última chance de ver uma das bandas que marcaram minha vida em atividade.

A experiência de ver o Smashing depois de 16 anos foi uma das coisas mais incríveis e intensas que eu já vivi nesses 29 anos de vida, mais ou menos a que eu senti quando vi o Garbage no Planeta Terra 2012 depois de 15 anos de espera. É como se o show tivesse me teletransportado de volta para meus 13/14 anos, quando comecei a ouvir as primeiras bandas de rock alternativo e ovacionar Billy Corgan por ter escrito duas das minhas músicas favoritas da vida, “Tonight Tonight” e “Disarm”. Como se não bastasse tudo isso, este show tinha um toque todo especial: a participação do Mark Stoermer, baixista do Killers, como integrante ~suplente~ da banda exatamente dois anos depois do Lolla 2013. Coincidências? Acho que não.

Lágrimas e arrepios definem o que eu senti quando vi o Smashing Pumpkins ao vivo. Apesar de não ter me empolgado por este Lolla da mesma forma que eu me empolguei nos anos anteriores, preciso admitir que o fato de ter visto as duas bandas que eu queria ver de perto e escutado algumas das minhas músicas favoritas da vida ao vivo, bem na minha frente, compensou todas as incertezas deste lineup e o cansaço de ter que ir até Interlagos. E eu pudesse dar um conselho, ele seria: assista aos shows das bandas que você ama e tenha a oportunidade de ouvir suas músicas favoritas ao vivo. É uma experiência indescritível e você nunca mais irá ouvi-los de outra forma <3. Estou há 7 dias consecutivos ouvindo o “The Mellon Collie And The Infinite Sadness” e o “Siamese Dream” em looping eterno e com os olhos cheios de lágrimas cada vez que eu lembro que eu ouvi essas músicas que marcaram tanto minha vida ao vivo. Inclusive, toda vez que eu tiver em dúvida se devo ir ou não em um shown depois desta experiência, me lembrarei disso :].

Mais uma vez, obrigada Sempre Livre e Pepsi pelos convites e por terem proporcionado estes momentos inesquecíveis. E Lolla, nos vemos em 2016 (e pfvr, volte para o Jockey e traga o Killers, Brandon Flowers e o Garbage flw vlw).

Top 5: minhas bandas favoritas dos anos 90

postado em  •  17 comentários

Sou aquele tipo de pessoa que tem um gosto musical bem eclético, daquelas que tem arquivos e cds de tudo que é gênero. Para mim música boa é aquela que agrada meus ouvidos ou que ao menos me divirta de alguma maneira (e talvez isso justifique o porque eu adoro ouvir uma música tosca quando eu estou “sozinha”). Porém, apesar de ser uma pessoa bem open-minded musicalmente, existem dois estilos que ganham meu coração facilmente e andam sempre juntos comigo no meu iPod: o pop e o bom e velho rock’n’roll.

Eu lembro que no final da década de 90, comecei a ter meus primeiros í­dolos musicais. Como grande parte das adolescentes daquela época Spice Girls, Backstreet Boys, Britney, Aguilera, N’Sync e 5ive estavam entre minhas bandas favoritas, com direito a compra de cd no dia do lançamento na Americanas (quase sempre acompanhado de um brinde cedido pela gravadora), pastas com várias fotos de revistas nacionais e gringas (que adolescente fã dessas bandas nunca comprou a Super Pop de Portugal ou a Smash Hits americana?), posteres espalhados pelo quarto, o sonho de ter uma girl band e o amor platí´nico por um dos musos das boybands. Nessa mesma época, entre um clipe e outro de alguma banda pop em programas como Disk MTV e TOP 10 EUA, comecei a flertar com meus primeiros í­dolos do rock e que acabaram se tornando minhas bandas favoritas até hoje.

Por isso, para não deixar passar em branco esse Dia Mundial do Rock, resolvi brincar de puxar na minha memória minhas 5 bandas favoritas da década de 90 ”“poucas perto da quantidade de coisas que eu escuto dessa década. Vem comigo!

01- Hole

Amor a primeira ouvida. Enquanto o mundo descia a lenha na sra. Courtney Love, eu garrei um amor enorme por ela desde a primeira vez que eu ouvi Doll Parts. Talvez porque até então eu nunca havia visto nenhuma mulher realmente poderosa, linda (sim, a Courtney já foi bem bonita!) e super feminina a frente de uma banda de rock. Depois veio a era Celebrity Skin e o que era paixão virou amor eterno. A banda ainda existe com uma outra formação, mantendo apenas Courtney nos vocais, e lançou no ano passado o álbum Nobody’s Daughter.

Melhores Músicas: Celebrity Skin
Melhor CD: Celebrity Skin (1999)

02- Garbage

Não é porque é minha banda favorita, mas considero o Garbage como uma das melhores bandas não só da década de 90 mas de todos os tempos. í‰ a mistura perfeita de sonoridades com os vocais incrí­veis da Shirley Manson e letras bem bacanas. E parece que depois de um hiatus de quase 6 anos (o último álbum de inéditas, Bleed Like Me, saiu em 2005), vem álbum novo por ái :D

Música Favorita: Only Happy When It Rains
Melhor CD: Version 2.0 (1998)

03- Foo Fighters

Outra banda que foi amor a primeira ouvida. Lembro que a primeira música que eu ouvi deles foi a Everlong durante um TOP 10 EUA. Continua sendo pra mim uma das melhores músicas deles, pau-a-pau com Walking After You. E já tí´ na torcida pelo show deles no Brasil!

Melhor música: Everlong
Melhor álbum: The Colour and the Shape (1997)

04-Smashing Pumpkins

Comecei a ouvir um pouco depois do boom, já na época do Adore, mas fui me apaixonar de vez quando escutei o álbum anterior, o Mellon Collie and the Infinite Sadness. Apesar de ser uma das minhas bandas favoritas, confesso que prefiro as músicas antigas í s novas.

Melhor Música: Tonight, Tonight
Melhor ílbum: Mellon Collie and the Infinite Sadness (1995)

05- silverchair

Comecei a gostar de silverchair de verdade na época do Neon Ballroom, junto com toda a galera que entrou na modinha do Ana’s Song e Miss You Love. No fim, acabou virando uma das minhas bandas favoritas de acompanhar carreira, comprar os cds (inclusive os anteriores) e ir ao show em 2003. A banda anunciou um hiatus sem previsão de volta esse ano para tocarem projetos paralelos :(

Melhor Música: Anthem For The Year 2000
Melhor ílbum: Neon Ballroom (1999)

Ainda sobre rock anos 90, já fiz uma mixtape com alguns hits épicos dessa década. Para quem ainda não ouviu, clica aqui para ouvir e baixar!

Agora quero saber de você: qual banda marcou sua adolescência e está na sua lista de favoritas até hoje? ;)